"O Bonsai é um breve pensamento poético que nos toca o coração.”

O bonsai é uma arte de possibilidades ilimitadas.

03 março 2010

Como Cuidar - ARAÇÁ

Família: Mirtáceas
Origem: Amazônia
Porte: 2 a 6 metros de altura
Floração: verão em algumas regiões.
Propagação: sementes
Luminosidade: sol pleno
Regas: Regulares, sempre que o solo estiver seco
Solo: ácido a neutro

O Araçá-boi (Eugenia stipitata) pertence à família das Mirtáceas a mesma família da goiaba e Jabuticaba é uma árvore de origem Amazônica, que inclui o Brasil, a Bolívia e o Peru. O Araçá-boi é um arbusto com cerca de três metros de altura, com ramos desde o solo. O que pode ser útil para o cultivo como Bonsai. O fruto tem cor amarelada quando maduro, contém em média 11 sementes e chega a pesar 450 gramas. Existem outras variedades de Araçá que ocorrem por todo o Brasil. Cultivo deverá ser o mesmo com poucas variações. O seu nome vem do tupi guarani e significa: “fruto que tem olhos” em alusão as sépalas que dão a aparência de olho no fruto.

Ambiente - Durante o período de crescimento o Araçá-boi, precisa de proteção meia-sombra. A irrigação deve ser diária e não excessiva.  Quando maiores, as mudas Suportam bem o sol e o vento. A espécie é muito rústica tem um crescimento rápido e suporta maus tratos recuperando-se rápido de danos causados.

Solo - O solo deverá ser neutro tendendo para o ácido, rico em matéria orgânica e com boa capacidade de reter água e umidade.  O Araçá-boi vive bem em solo arenoso e argiloso. O solo deve conter matéria orgânica (casca de pinos em pedaços miúdos, matéria orgânica curtida etc.). Toda matéria orgânica usada dever ter um período de curtição superior a 180 dias para que não queime as raízes das nossas árvores e nem as envenene ao liberarem os gases tóxicos que se formam com o curtimento e que é prejudicial à planta. Para compor o substrato, pode-se utilizar a seguinte combinação: 15% de areia 2 a 3 mm ou pedrisco +35% de cacos miúdos de cerâmica 3 a 5mm + 50% de matéria orgânica - casca de pinos calcinada 2 a 3 mm é um ótimo material (para facilitar a drenagem) evite usar cascas de tamanhos maiores. OBS: aqueça toda a mistura a 180° por 20 minutos para eliminar parasitas e seus possíveis ovos. Todo material deverá estar seco e ser peneirado antes de ser usado, para retirada de partículas minúsculas e pó. Essa mistura é para cidades de clima quente. Caso você more em locais mais frios use uma mistura com menos matéria orgânica e mais cacos de cerâmica.

Rega - A rega deverá ser moderada. Evite o excesso de umidade que pode danificar as raízes da árvore. Durante o verão tome cuidado para não deixar o solo secar de mais, pois poderá causar danos a folhagem. O solo deverá manter um bom teor de umidade. Caso a terra seque totalmente pode danificar as folhas e causar a perda das flores e até mesmo a queda dos frutos. Se você tiver dúvida sobre o grau certo de umidade a manter, deixe o solo secar levemente entre uma rega e outra. Você evitará assim o aparecimento de fungo tais como a ferrugem.
                                                                       
Adubação - A adubação deverá ser mantida até início da floração, que ocorrerá: de outubro a Janeiro para os P. catllelianum e P. guinense,  e de dezembro a fevereiro para o P. myrtoides e P. eigeniaefolia.  Dois meses antes da floração deverá ser usado um adubo rico em fósforo Ex.: NPK 4-12-4 que seguirá até inicio da floração. Não adube durante a floração. Existem adubos de ação lenta como Osmocote que poderá ser usado. Outro adubo (orgânico) riquíssimo em fósforo é a farinha de osso. Uma mistura orgânica que produz resultado excelente é: Torta de Algodão ou Mamona 50% + Farinha de osso 50%  colocada na borda do vaso a cada trinta dias na proporção de uma colher de sopa rasa para vasos com 20 a 22 cm de comprimento (vasos menores ou maiores deverão receber quantidade proporcional ao seu tamanho).( coloque a mistura em um potinho perfurado e enterrado para que a mistura não se espalhe e com o tempo torne o substrato do vaso compactado - retire o potinho com a mistura a cada 2 meses).  Outro modo é fazer uma rega semanal ou uma pulverização semanal usando para isso a mistura feita com 2 colheres de sopa rasa de uréia dissolvida em 10 Litros de água. Regue ou pulverize a uréia sempre ao entardecer, pois ela se evapora com a luz. Use adubo contendo micros nutrientes S, B, Cu, Mn e Zn pelo menos uma vez ao ano. De preferência aos adubos foliares.
Lembre-se: Nunca adube uma planta doente ou recém transplantada, nem sobre o sol forte; faça-o de preferência nas primeiras horas do dia ou nas últimas horas da tarde. Faça uma rega pelo menos uma hora antes de efetuar cada adubação mesmo que ela seja foliar. Em épocas muito quentes não se deve adubar, assim também como em épocas de frio intenso. Desenvolva o seu próprio calendário de adubação de acordo com as suas observações.

Poda - Faça uma poda para melhorar a aeração da planta, e permitir que o sol atinja as partes internas da mesma. Os brotos devem ser podados até o 2º ou 3º par de folhas durante toda época de crescimento. Ao podar analise a direção das gemas logo abaixo do corte, pois a brotaçãobrotos voltados para cima ou para baixo. Deixe os pequenos ramos crescerem até que estejam firmes com suas cinco primeiras folhas muito bem formadas, então pode. O Araçá-boi possui uma impressionante capacidade de regeneração suportando assim podas drásticas. Remova todos os brotos que forem indesejados - os que surgirem nas axilas dos galhos secundários e terciários podem ocorrer o nascimento de brotos nas raízes, retire-os também se isso ocorrer. Mantenha sempre o solo limpo sem ervas daninhas ou folhas secas.
Desfolha: faça a desfolha no início de janeiro cortando as folhas pelo pecíolo com uma tesoura afiada. Suspenda a adubação nitrogenada um mês antes da poda e reduza as regas até que toda a brotação amadureça.  Este método quando aplicado corretamente reduz o tamanho das folhas em até 10 vezes.
OBS: NUNCA DESFOLHE UMA ÁRVORE DOENTE OU FRACA para que não corra o risco de perdê-la.

Transplante - Muda nova - Ao transplantar as novas mudas de Araçá, corte a raiz pivotante (principal) logo abaixo das raízes capilares e espalhe cuidadosamente o restante de suas raízes o mais radialmente possível sobre o solo EX: como os raios de uma bicicleta. Esse procedimento é importante para o desenvolvimento no futuro, de um bonito nebari ( Nebari = encontro das raízes com o solo). Faça este procedimento a cada ano até que você observe uma boa formação de raízes superficiais.

Mudas mais velhas ou Árvores - A cada dois ou três anos nas árvores mais velhas e todos os anos no caso de exemplares mais jovens. Faça o desembaraço das raízes com um gancho diminuindo o torrão e corte as raízes que tiveram um grande desenvolvimento depois pode 1/3 das que restarem. Lembre-se que desejamos o desenvolvimento das raízes capilares (finas como cabelos).  Use uma nova mistura de solo - já descrita acima. Não se esqueça de por uma tela plástica nos furos. Para a firme sustentação da árvore e mantê-la assentada no vaso, passe arames ou barbante - que apodrecerá com o tempo - se optar pelo arame corte-os tão logo perceba que a árvore esta com ótimo desenvolvimento. Se desejar poderá fazer uso de enraízadores para adiantar o processo de estabelecimento da árvore. Comece a adubação cerca de 40 a 50 dias após o transplante use metade do adubo que normalmente usaria. Mantenha a árvore na sombra até que comecem a aparecer os primeiros brotos após o que vá aumentando aos poucos sua exposição ao sol. Nunca transplante sua árvore em locais com corrente de ar e nunca as deixe nestes locais após serem transplantadas.

Aramagem - Faça-o da primavera ao verão sem qualquer problema.
Alguns cuidados são necessários, pois os galhos do Araçá são duros quando ficam mais velhos e quebram com muita facilidade, então, para amolecê-los antes de aramar, é aconselhável não regá-la um dia antes. Também pode ser necessário enrolar o galho a ser trabalhado em ráfia umedecida para depois torcê-lo com arame. Para retirar o arame (nunca desenrole o fio) corte com um alicate. A ferramenta apropriada nesta hora é muito importante. Preste atenção ao crescimento da árvore para que os arames não marquem a casca. É importante que o tronco do Araçá-boi esteja sem marcas. Árvores de tronco liso devem estar sem marcas visíveis que denuncie a ação do homem.


Dicas

·         Faça uma boa irrigação pelo menos uma hora antes de adubar a sua árvore..
·         Fruteiras costumam ser cultivadas em vasos um pouco mais fundo que o normal. Os vasos poderão ser vidrados ou não.
·         Os galhos do Araçá-boi são quebradiços quando velhos para amolecê-los antes da aramação, é aconselhável não regá-la um dia antes.
·         Tome cuidado com os pulgões eles transmitem doenças as suas plantas.
·         Evite molhar as flores para que não caiam e possam produzir frutos.
·         Caso apareça ferrugem nas folhas, retire as folhas atacadas, esta ação feita logo no início evita a utilização de fungicidas.
·         Os Araçás mais usados para bonsai são as de folhas miúdas.
·         O Araçá não crescerá dentro de casa, ele precisa de luz solar plena para que cresça bem. Deixe suas árvores fora de casa até que as flores se abram, aí então podem ser levadas para dentro, mas é preciso que fiquem em um local bem claro, próximo à janela e ainda assim por apenas dois dias.
·     Evite o excesso de água nas regas: o ideal é fornecer água à planta apenas quando o solo apresentar-se seco, sem encharcar.
·         Mantenha um registro de todas as adubações e podas efetuadas com o maior detalhamento possível, no futuro, análise e repita as ações que deram bons resultados nos anos anteriores.

- Se tiver dúvidas de como aplicar os métodos a cima busque a orientação de bonsaístas experientes.
Faça um curso. Existem excelentes bonsaístas que ministram cursos de alta qualidade. Não veja isso como um gasto, mas como um investimento para o futuro.  Você mudará a sua maneira de ver o Bonsai.
Usar as técnicas aprendidas de maneira correta lhe dará confiança e os resultados obtidos em suas árvores lhe darão enorme satisfação evitando perdas de tempo e enormes prejuízos financeiros. Este é o meu conselho. 

Como Cuidar - BUXUS




Família: Buxaceae
Origem: Mediterrâneo, Oriente
Porte: Atinge até 2 a 5 m. de altura
Propagação: Por estaca e mergulhia.
Luminosidade: sol pleno/meia Sombra.
Regas: Regulares, sempre que o solo estiver seco                                             
Solo: alcalino


Árvore ou arbusto lenhoso, de folhas perenes, podendo atingir 5,0 metros de altura muito utilizada para a topiaria, por ser muito resistente. Sua folhagem miúda e verde escura regenera-se muito bem após as podas. Possui madeira dura de cor clara. Muito utilizado por bonsaísta em diversos estilos, entretanto deve ter paciência, ao cultivá-lo, pois seu crescimento é lento se comparado a outras árvores. É uma árvore de vida longa e rusticidade ficando bonita com cuidados básicos e exigindo pouca manutenção. Apesar de viver a meia sombra. Deve ser sempre cultivados a pleno sol, com solo fértil e regas regulares. É tolerante ao frio.


Ambiente - É uma planta que aprecia locais ensolarados, mas que tolera a sombra durante uma parte do dia. Aprecia solos argilosos, com bom teor de matéria orgânica. É uma planta que resiste bem ao clima frio, mas também pode ser cultivada em climas mais quentes com grande sucesso por isso é muito apreciada por bonsaístas por todo mundo.

Solo - O solo deve ser poroso e conter matéria orgânica ( casca de pinheiro ralada, ou outra matéria orgânica curtida.) Atenção: Toda a matéria orgânica deverá ter passado por um período de curtição por no mínimo 180 dias, ou poderão danificar as raízes da árvore bem como a formação de gases tóxicos no solo prejudicará à planta. Uma boa composição do solo para o plantio de nosso bonsai de é a  combinação de: 20% de areia grossa ou pedrisco 3 mm (calcária) + 50% de matéria orgânica + 30% caquinhos de cerâmicas 3 a 5 mm (tijolos /telhas) Todos os componentes do solo deverão estar secos e peneirados para a retirada de partículas muito miúdas e do pó antes de ser usado. Se possível aquecer toda mistura a uma temperatura de180° por 20 minutos para eliminação de parasitas e de seus ovos. Deixar esfriar todo o conjunto antes de usar. Caso use apenas cascalhos de tijolo espalhe pedacinhos de gesso sobre o solo ou adicione-os na mistura. A mistura acima é para regiões quentes como Rio de Janeiro em outras regiões deverá colocar apenas 30 ou 40% de matéria orgânica na mistura para evitar o excesso de umidade.

Rega - O Buxus é muito sensível ao excesso de rega, sobretudo ao encharcamento da terra, o que provocam freqüentes ataques de fungos que consomem a parte inferior do tronco. É muito importante deixar o solo secar entre as regas. Devemos fazer pulverizações nas folhas e ramos principalmente nos dia mais quentes e mais secos. Como já falei em outras ocasiões Alguns são contra esta pratica por motivos que eles consideram validos, Não os critico. Se eles estão tendo sucesso assim que continuem, no meu caso tenho tido excelentes resultados usando esta.


Adubação - Os Buxus gostam muito de adubos nitrogenados. Existem adubos de ação lenta e de varias formulações como Osmocote, que poderá ser usado. Uma mistura orgânica que produz resultados excelentes é: Torta de Algodão ou Mamona 50% + Farinha de osso 50% colocada na borda do vaso a cada trinta dias na proporção de uma colher de sopa rasa para vasos com 20 a 22 cm de comprimento (vasos menores ou maiores deverão receber quantidade proporcional ao seu tamanho). Outro modo é fazer uma rega semanal ou uma pulverização semanal usando para isso a mistura feita com 2 colheres de sopa rasa de uréia dissolvida em 10 Litros de água. Regue ou pulverize a uréia sempre ao entardecer, pois ela se evapora com a luz. Use adubo contendo micros nutrientes S, B, Cu, Mn e Zn pelo menos uma vez ao ano. De preferência aos adubos foliares.
Nunca adube sobre o sol forte faça-o de preferência nas primeiras horas do dia ou nas últimas horas da tarde. Faça uma rega pelo menos uma hora antes de efetuar cada adubação mesmo que ela seja foliar. Em épocas muito quentes não se deve adubar, assim também como em épocas de frio intenso.

Poda - As podas podem ser divididas em duas partes distintas: Podas de formação e de manutenção. A primeira tem o objetivo de dar à árvore a forma desejada, o que pode envolver podas mais drásticas. Estas deverão ser feitas aos poucos ao longo do ano para dar as planta a oportunidade de se recuperar. Já na segunda é feita uma pinçassem que manterá a árvore refinada com a forma desejada por mais tempo.
Proceda desta forma: Deixe o ramo crescer até que ele pare e suas folhas ganhem um tom verde escuro. Quando as gemas nas axilas das folhas começarem a inchar, pode o ramo, deixando apenas um ou dois pares de folhas. Caso o ramo esteja muito fino e se deseje que ele ganhe mais vitalidade deixe-o crescer livremente uma segunda vez até alcançar a grossura de um palito de fósforo então pode. Observe bem o local aonde irá realizar a poda, pois as folhas do Buxus nascem aos pares, o que originará dois brotos opostos, que poderão nascer para o lado errado, para evitar que estes nasçam numa direção não desejada. Retire a gema lateral da direção oposta à desejada. Faça os cortes com tesoura afiada e esterilizadas. Use a chama azul de um maçarico para isso. Nunca corte as folhas do Buchinho ao meio, pois suas folhas demoram a cair e sua árvore ficará com a aparência horrível por muito tempo. Faça uma poda de limpeza após a segunda brotação do ramo podado, removendo todos os toquinhos que restaram das podas anteriores. Em galhos finos Faça isso com um alicate de corte reto (um alicate de unha bem afiado, efetua maravilhosamente bem essa limpeza). Essa poda é importante para dar naturalidade ao movimento dos galhos e ajuda muito a melhorar a estética de toda árvore.

Transplante - O Buxus produz uma grande quantidade de raízes, mas como indicação geral, uma transplantação a cada 3 anos pode ser suficiente. Retire a árvore do vaso solte as raízes com o auxílio do rashi e corte 1/3 delas. Depois plante a árvore em um novo substrato lembrando-se de prender a árvore no vaso com fios para que ela fique firme até que ela se estabeleça novamente. Faça essa operação em dias nublados e sem vento para não correr o risco de ter as finas raízes desidratadas. Nunca deixe as finas raízes secarem. Se desejar, poderá fazer uso de enraízadores para adiantar o processo de estabelecimento da árvore. Se For preciso fazer uma correção do nebari, aproveite essa época, mas só o faça se perceber que ainda sobrará um número excelente de raízes para alimentar todo o conjunto. Comece a adubação cerca de 40 dias após o transplante use metade do adubo que normalmente usaria. Mantenha a árvore na sombra até que comecem a aparecer os primeiros brotos após o que vá aumentando aos poucos sua exposição ao sol.

Aramagem - Poderá ser feita da primavera até o outono, sem restrições. É preciso dizer que esta técnica deverá ser utilizada com cuidado para que não fira a casca de nossa árvore galhos mais velhos possuem madeira rija e bastante quebradiça. Assim para amolecê-los antes de aramar, é aconselhável não regá-la um dia antes. Também pode ser necessário enrolar o galho a ser trabalhado em ráfia umedecida para depois torcê-lo com arame. Para retirar o arame (nunca desenrole o fio) corte-o com um alicate. Preste atenção ao crescimento da árvore para que os arames não deixem marcas.


PROPAGAÇÃO - Os Buxus podem ser reproduzidos com sucesso sendo, sem dúvida o mais eficaz o da estaca. Não obstante, o sucesso do método está ligado à época do ano em que é feito. Para um melhor enraizamento deverá ser efetuada na Primavera. Os métodos mais usados são: a estaca, o alporque.Minha  experiência diz que uma estaquia realizada na Primavera apresentará uma grande probabilidade de sucesso. E um alporque já dará um material de excelente qualidade e já bem formado. Note, porém que o Buxus tem tendência a produzir raízes fora do anel de casca retirado, conte com isso ao fazer seu alporque.
Como fazer a estaquia: Usar sempre ramos novos de ponteiro. Retire as folhas da base da haste, deixando de 3 a 5 nós limpos.
plante as estacas em substrato do tipo: casca de arroz carbonizada, areia misturada com composto orgânico ou vermiculita tomando o cuidado de manter a umidade para facilitar o enraizamento. Pode-se cobrir o local onde se plantou as novas mudas com plástico transparente depois coloque as futuras mudas à sombra em cultivo protegido.
Quando notar emissão de folhas a estaca estará enraizada. Depois transplante para um saco plástico, vasinho ou balde usando o substrato que deverá ser uma mistura de composto orgânico de folhas ou turfa, adubo animal de curral bem curtido e areia, em partes iguais. Após o plantio regar e por uma semana regar todos os dias para garantir que a muda sobreviva. Manter protegido com sombreamento de 50% por pelo menos 6 meses. Obs: O Buxus tem um crescimento lento.

PRAGAS COMUNS - O Buxus costuma ser atacado por tripes, deve-se ficar atento às folhas, se estas aparecerem enrugadas junto às nervuras e enrolarem deveram procurar os insetos, que são escuros e minúsculos. Faça uma pulverização imediatamente após identificar o problema.

Dicas - Coloque um pedaço de giz ou gesso enterrado no vaso isso impedirá que o solo fique ácido. Lembre-se que ele gosta de solo alcalino.

     - Se tiver dúvidas de como aplicar os métodos a cima busque a orientação de bonsaístas experientes.
Faça um curso. Existem excelentes bonsaístas que ministram cursos de alta qualidade. Não veja isso como um gasto, mas como um investimento para o futuro.  Você mudará a sua maneira de ver o Bonsai.
Usar as técnicas aprendidas de maneira correta lhe dará confiança e os resultados obtidos em suas árvores lhe darão enorme satisfação evitando perdas de tempo e enormes prejuízos financeiros. Este é o meu conselho. 


db

CALDA BORDALESA




Calda Bordalesa

Ingredientes

1 saco de pano
200g de sulfato de cobre
200g de cal virgem
20lts de água.

Modo de fazer

Com o saco de pano prepare um sache com o sulfato de cobre. Mergulhe o sache em 18 l de água por 3 ou 4 horas até que o sulfato dissolva. A parte misture a cal em 2 litros de água e despeje na solução preparada com o sulfato de cobre dissolvido. Mexa bem. Antes de usar a calda bordalesa faça um teste de acidez: mergulhe uma lamina de ferro no preparo. Se ela escurecer não aplique ainda. Acrescente um pouco mais de cal até que a lamina saia sem escurecer. Esta calda deve ser usada até o terceiro dia após o preparo. Não é recomendado aplicar concentração forte em plantas novas.

Esse preparo pode ser usado como fungicida e também no combate ao ácaro. 

Armazene o produto em um frasco escuro para que não perca suas propriedades.

Esta calda é um excelente clareador de madeira morta.





Como Cuidar - AZALÉIA






Família: Ericácea
Origem: Ásia. China e Japão

Porte: Atinge até 2 m. de altura
Floração: inverno e início da primavera
Propagação: Por estaca e mergulhia.
Luminosidade: sol pleno/meia Sombra.
Regas: Regulares, sempre que o solo estiver seco
Solo: ácido

Às Azáleas são oriundas da Ásia e reconhecidas facilmente por sua abundante e charmosa floração. A paixão que esta espécie desperta fez com que existam em vários países cultivadores de bonsai especializados unicamente em Azáleas. É comum que se façam o cruzamento de espécies com o objetivo de conseguir uma flor mais perfeita e mais apaixonante. Porém na arte do bonsai existem algumas espécies de referência sendo a espécie mais usada a Satsuki e a Kurume, ambas originárias do Japão. Nas Satsuki.a floração ocorre normalmente no mês de Maio. Seu Crescimento ocorre de forma lenta e regular.



Ambiente - Durante a época de formação, as azaléas necessitam de meia sombra, principalmente durante as horas mais quentes do dia. As Azáleas precisam apanhar sol de preferência nas primeiras horas da manhã ou últimas horas da tarde. A presença do sol é vital para estimular o aparecimento das flores. Locais muito escuros irão torná-las mais delgadas e diminuirão ou até impedirão a sua floração. As azaléas suportam muito bem o vento, mas devemos tomar o cuidado de regá-las com mais constância quando estas estiverem nesta situação.

Solo - Uma das peculiaridades das Azáleas é ser uma espécie calcífuga. Que significa que a presença do calcário é muito prejudicial à espécie. O solo de plantio deverá ser ácido, rico em matéria orgânica, com boa capacidade de reter água e umidade sem, contudo permanecer encharcado. As azaléias são plantas exigentes em ferro. O solo deve conter uma boa quantidade de matéria orgânica (casca de pinheiro ralada, pó de xaxim matéria orgânica curtida, palha de arroz calcinada e etc.) Atenção: Toda a matéria orgânica deverá ter passado por um período de curtição por no mínimo 180 dias, ou poderão danificar as raízes da árvore bem como a formação de gases tóxicos no solo prejudicará à planta. Depois de curtida toda matéria orgânica deverá ser secada ao sol por alguns dias antes de armazená-la. Uma boa composição do solo para o plantio de nosso bonsai de Azálea é a combinação de: 40% de areia grossa ou pedrisco 3 mm (não calcária) tenho usado cacos de cerâmica 2 e 3 mm ao invés de areia por esse ser neutro + 60% de matéria orgânica. Todos os componentes do solo deverão estar secos e peneirados para a retirada de partículas muito miúdas e do pó antes de ser usado. Não se deverão usar Humos de minhoca por este ser um regulador de solo.
. Uma vez que na maioria das cidades a água que sai da torneira é de origem calcária, o que a caba prejudicando a nossa árvore eu utilizo um pequeno "truque": a adição de vinagre ou limão na água em pelo menos uma rega por mês. Assim, asseguramos a manutenção da acidez do nosso solo.

Rega - Nunca se devemos molhar nossas azáleas com água alcalina ou clorada sobre a pena de perdemos nosso bonsai. Nas azáleas a rega assume uma grande importância. Na floração: o solo deverá ser mantido permanentemente com um alto teor de umidade. Se descuidarmos da rega nesta época, poderemos perder todas as flores de nosso bonsai. Fora da floração a coisa muda: As raízes das azaléas são como fios de cabelos e secam rapidamente, e isso é fatal para a planta. Regue com freqüência durante todo o ano, menos durante as geadas e nunca deixe o solo encharcado permanentemente, nada de prato com água debaixo do vaso. É muito importante deixar o solo secar levemente entre as regas, pois a Azálea é muito propensa a fungos do colo da raiz. Devemos fazer pulverizações nas folhas e ramos da azálea principalmente nos dia mais quentes e mais secos. Alguns são contra esta pratica por motivos que eles consideram validos, Não os critico. Se eles estão tendo sucesso assim que continuem, no meu caso tenho tido excelentes resultados usando esta pratica a foto acima comprova isso. As azáleas gostam de umidade no ar. Porém devemos tomar o cuidado de não usarmos águas calcárias tal prática pode ter conseqüências por vezes letais para o nosso bonsai, uma vez que a presença do calcário na água pode originar o entupimento dos estomas e conseqüente asfixia da planta.  Pulverize as folhas com água destilada ou água da chuva. Nunca pulverize as flores para não diminuir sua exuberância e seu período de vida.
.
Adubação - As azaléias gostam muito de adubos ricos em fósforo. Ex.: NPK 4-12-4. Um adubo (orgânico) riquíssimo em fósforo é a farinha de osso. Dois meses antes da floração deverá ser usado um adubo rico em fósforo Ex.: NPK 4-12-8 que seguirá até inicio da floração. Não adube durante a floração. Existem adubos de ação lenta e de varias formulações como Osmocote, que poderá ser usado. Uma mistura orgânica que produz resultados excelentes é: Torta de Algodão ou Mamona 50% + Farinha de osso 50% colocada na borda do vaso a cada trinta dias na proporção de uma colher de sopa rasa para vasos com 20 a 22 cm de comprimento (vasos menores ou maiores deverão receber quantidade proporcional ao seu tamanho, coloque a mistura em um potinho perfurado e enterrado no solo para que a mistura não se espalhe e com o tempo torne o substrato do vaso compactado - retire o potinho com a mistura a cada 2 meses). Use duas vezes por ano algum adubo que tenha ferro quelado. Algumas pedrinhas de Laterita misturado ao solo já servirão. Adube com micros nutrientes durante quatro semanas pelo menos uma vez por ano. De preferência a adubos foliares. O uso de enraízadores pode ajudar a fortalecer plantas fracas ou aumentar a floração.

Poda - As podas podem ser divididas em dois períodos distintos: antes e depois da floração.                                                                                                                      
Final da floração: deveremos realizar uma poda de refinamento para estimular o crescimento dos novos brotos e aumentar a próxima floração. É importante fazer uma poda que limpe os ramos muito densos para melhorar a areação e a insolação no interior da árvore. Retire todas as folhas amarelas e flores murchas.
Refinação: Retirar todos os brotos indesejáveis que surgirem nas axilas dos ramos primários e secundários, bem como nas raízes ou base do tronco. Todos os pequenos brotos deverão ser podados durante toda a estação de crescimento até o final do verão onde se inicia a formação dos botões florais. As azaléas têm uma impressionante capacidade de regeneração mesmo quando podamos seus galhos mais velhos. A azálea é uma das poucas plantas que tem o crescimento mais vigoroso nos galhos inferiores, os quais devem ser podados com mais severidade do que sua copa a fim de manter a saúde da árvore. Não pode excessivamente sua azaléia só para manter a forma. Dê a ela um período de crescimento livre para que ela recupere o vigor. É enganosa a idéia de que um Bonsai e mantido perfeito permanentemente.
Caso queira reduzir o tamanho das folhas uma desfolha após a floração dará bons resultados.
Use sempre tesouras de podas bem amoladas para que os cortes sejam limpos. Mantenha sua ferramenta sempre limpa para que não transmita alguma doença através da poda. Não economize quando for comprar suas ferramentas, as melhores são geralmente mais caras.

Transplante - O transplante e a poda radicular deverão ser feito no fim do Inverno/início da Primavera. Deve ser feito anualmente para exemplares mais jovens e ir aumentando o intervalo à medida que a nossa árvore for envelhecendo. O composto do solo que devemos utilizar já foi abordado anteriormente. Levante a árvore do vaso e  corte apenas 1/3 das raízes. Atenção: espere no mínimo 3 ou 4 semanas após o transplantes antes de podar os ramos . Não se esqueça de por uma tela plástica nos furos do vaso. Para a firme sustentação da árvore e mantê-la assentada no vaso, passe arames ou barbante - que apodrecerá com o tempo - se optar pelo arame corte-os tão logo perceba que a árvore esta com ótimo desenvolvimento. Se desejar poderá fazer uso de enraízadores para adiantar o processo de estabelecimento da árvore. Comece a adubação cerca de 40 ou 60 dias após o transplante, use metade do adubo que normalmente usaria. Mantenha a árvore na sombra até que comecem a aparecer os primeiros brotos após o que vá aumentando aos poucos sua exposição ao sol.


Aramagem - Da primavera até o outono, sem restrições. Alguns trabalhos de modelagem deverão ser feitos durante a Primavera antes que as flores se abram. Verão e início do Outono deverá ter cuidado, pois alguns galhos poderão perder o vigor. É preciso dizer que esta técnica deverá ser utilizada com cuidado especial uma vez que os ramos das azáleas possuem uma madeira dura o que a torna bastante quebradiça. Assim para amolecê-los antes de aramar, é aconselhável não regá-la um dia antes. Também pode ser necessário enrolar o galho a ser trabalhado em ráfia umedecida para depois torcê-lo com arame. Para retirar o arame (nunca desenrole o fio) corte com um alicate próprio para isso. Preste atenção ao crescimento da árvore para que os arames não deixem marcas.

Propagação - A azálea pode ser reproduzida com sucesso em quase todos os métodos de propagação.. Não obstante, o sucesso do método está ligado à época do ano em que é feito. Para um melhor enraizamento deverá ser efetuada na Primavera. Os métodos mais usados são: a estaca; a enxertia; a semente; no Verão, o alporque. Quero deixar bem claro que por experiência própria uma estaquia realizada na Primavera apresentará uma grande probabilidade de sucesso e um alporque no verão também será bem sucedido.


Doenças - Ferrugem - Manchas semelhantes à ferrugem nas folhas acusam a presença de fungos. Controle: Aplique Calda bordalesa.

Galhas - folhas e pétalas atacadas tornam-se espessas e deformadas apresentando, às vezes, manchas esbranquiçadas. As extremidades dos ramos também podem manifestar o problema, tornando-se "esgalhadas". Controle: Elimine as partes afetadas e utilize um fungicida do tipo Calda Bordalesa.


Oídio - A planta apresenta manchas esbranquiçadas na frente e verso das folhas e até no cálice da flor. Com o tempo, as folhas apresentam coloração cinza escuro e começam a cair prematuramente. Controle: Reduza a quantidade de água nas regas, isole as plantas atacadas ou suspeitas e faça pulverizações com fungicida em casos mais severos.


Seca de ponteiros - Apresenta-se na forma de uma podridão marrom escura, que se inicia na ponta do ramo e se espalha para baixo, atingindo a haste principal. Pode provocar até a morte da planta. Controle: Faça a poda dos ponteiros atacados e proteja o corte com uma pasta à base de oxicloreto de cobre.


Clorose - Toda a folhagem pode tornar-se amarela. Controle: Normalmente, o problema surge por deficiência nutricional. Deve-se observar a adubação correta, verificando se há carência
dos nutrientes.



Estilos

As azáleas podem ser cultivadas em todos os estilos.

Dicas

·         Faça uma boa irrigação pelo menos uma hora antes de adubar a sua árvore.
·         As azáleas costumam ser cultivadas em vasos um pouco mais fundo que o normal. Os vasos poderão ser vidrados e coloridos ou ter algum tipo de desenhos ou trabalhos de auto-relevos. 
·         Os galhos das azáleas são quebradiços quando para amolecê-los antes da aramação, é aconselhável não regá-la um dia antes.
·         Evite molhar as flores para que não caiam e possam produzir frutos.
·         Coloque um pedaço de palha de aço a cada 6 meses na borda do vaso. Ou use pedrinhas de Laterita
·         Caso apareça ferrugem nas folhas, retire as folhas atacadas. Esta ação feita logo no início evita a utilização de fungicidas.
·         As azáleas mais usadas para bonsai são as de folhas e flores miúdas.
·         As azáleas não crescerão dentro de casa, ela precisa de luz solar plena para que cresça bem. Deixe suas árvores fora de casa até que as flores se abram, aí então podem ser levadas para dentro, mas é preciso que fiquem em um local bem claro, próximo à janela e ainda assim por apenas poucos dias.
·     Evite o excesso de água nas regas: o ideal é fornecer água à planta apenas quando o solo apresentar-se quase seco.
·         Mantenha um registro de todas as adubações e podas efetuadas com o maior detalhamento possível, análise e repita as ações que deram bons resultados nos anos anteriores.
·         Para bonsai, devemos evitar variedades com folhas e flores muito grandes, as quais são mais sensíveis que as variedades com flores simples e pequenas que ficam mais proporcionais. Isso não é uma regra é apenas um conselho.
·          Uma elevada umidade do ar é bastante conveniente.
·         As variedades de folhas pequenas suportam mais o sol e o calor, porém não suportam ambientes fechados.
·         Durante a floração a ausência de raios solares direto vai assegurar a duração por um período mais longo das nossas preciosas flores.
·         Não pulverize as flores para que elas durem mais.
·         Não coloque sobre o vaso pedras brancas de origem calcárias, pois alcalinizarão o solo podendo matar nosso bonsai.
·         Na dúvida, coloque sempre menos adubo no vaso. Uma dose um pouco maior pode ser fatal. Se errar, erre sempre para menos.





- Se tiver dúvidas de como aplicar os métodos a cima busque a orientação de bonsaístas experientes.
Faça um curso. Existem excelentes bonsaístas que ministram cursos de alta qualidade. Não veja isso como um gasto, mas como um investimento para o futuro.  Você mudará a sua maneira de ver o Bonsai.
Usar as técnicas aprendidas de maneira correta lhe dará confiança e os resultados obtidos em suas árvores lhe darão enorme satisfação evitando perdas de tempo e enormes prejuízos financeiros. Este é o meu conselho. 

02 março 2010

Como Cuidar - PITANGUEIRA



Família: Mirtáceas
Origem: Brasil
Porte: Atinge de 2 m a 10 m de altura
Floração: Primavera, Verão
Propagação: Sementes.
Luminosidade: sol pleno.
Regas: Regulares, sempre que o solo estiver seco
Solo: ácido

Muito comum no Brasil indo desde Minas gerais até o Rio Grande do Sul. A Pitangueira possui mais de 15 espécies diferentes. É uma árvore medianamente rústica, seu tronco é liso na cor bege-acinzentado com estrias que se formam na sua constante renovação da casca. A copa é globosa de folhagem densa e perene de cor verde escura e folhas pequenas, lustrosas e aromáticas. Possuem flores brancas que surgem na primavera até o verão. Seus frutos começam a vingar com maior quantidade a partir do sexto ano de vida. O bonsai de Pitangueira tem um potencial incrível devido suas tonalidades de cores e o aspecto de seu tronco. A palavra "pitanga" vem do tupi-guarani  pï'tana, que significa "vermelho" (a cor mais comum deste fruto). O fruto é também conhecido como Brazilian cherry ou Surinam cherry.




Ambiente - A Pitangueira é uma planta de exterior. Adora o sol. No verão é preciso protegê-la do sol mais intenso para não correr o risco de ter a copa da árvore danificada pelo calor. A Pitangueira ama a luz devendo ser colocada em lugares onde o sol incida diretamente sobre as folhas o maior número de horas possível. A exposição da Pitangueira ao sol é indispensável para sua floração e a frutificação e diminuição das folhas bem como seus entrenós.

Solo - O solo para Pitangueira precisa ser poroso para uma boa drenagem, deve conter também matéria orgânica (casca de pinheiro ralada é excelente) Atenção: Toda a matéria orgânica deverá ter passado por um período de curtição por no mínimo 180 dias, ou poderão danificar as raízes da árvore bem como a formação de gases tóxicos no solo prejudicará a planta. Uma boa composição do solo para o plantio de nosso bonsai de é a combinação de: 15% de areia grossa ou pedrisco 3 mm (calcária) + 50% de matéria orgânica + 30% caquinhos de cerâmicas 3 a 5 mm (tijolos /telhas) + 5% carvão. Todos os componentes do solo deverão estar secos e peneirados para a retirada de partículas muito miúdas e do pó antes de ser usado. Deve ser plantada em vaso profundo. Essa mistura é para cidades de clima quente. Caso você more em locais mais frios use uma mistura com menos matéria orgânica e mais cacos de cerâmica.



Rega - Como geralmente ocorre com a maioria dos Bonsais de frutíferas, a Pitangueira é uma árvore com consumo elevado de água. No verão deve-se regar a Pitangueira diariamente e se for preciso mais de uma vez ao dia com o objetivo de deixar sua terra sempre úmida.  Em épocas mais frias, as regas deveram ser efetuadas somente quando a terra estiver seca na superfície do vaso. O excesso de água em época fria pode causar o aparecimento de fungos e estes podem ocasionar a morte de nosso Bonsai. Deve-se fazer pulverização diariamente em toda sua copa. Alguns são contra esta pratica por motivos que eles consideram validos, Não os critico. Se eles estão tendo sucesso assim que continuem, no meu caso tenho tido excelentes resultados usando esta pratica sem qualquer outro problema, apenas tome cuidado de não pulverizar a árvore quando ela estiver florida para que não se percam as flores.

Adubação - Durante o período de forte crescimento, devemos fazer uma adubação menos distanciada. Alguns adubos podem ser usados semanalmente outros a cada mês outros a cada 3 ou 9 meses escolha o que melhor lhe convier. Os adubos mais indicados para quem possui uma grande quantidade de árvores são os orgânicos e ricos em Fósforo (P), podendo ser adubos líquidos por via foliar ou sólidos na posto na terra. Uma mistura orgânica que produz resultados excelentes é: Torta de Algodão ou Mamona 50% + Farinha de osso 50% colocada na borda do vaso a cada trinta dias na proporção de uma colher de sopa rasa para vasos com 20 a 22 cm de comprimento (vasos menores ou maiores deverão receber quantidade proporcional ao seu tamanho). Caso sua planta ainda esteja em formação e ainda não esta em vaso para bonsai, pode se colocar esta mistura diretamente no solo, entretanto se o seu bonsai já está envasado, coloque a mistura em um potinho perfurado e enterrado no solo para que a mistura não se espalhe e com o tempo torne o substrato do vaso compactado - retire o potinho com a mistura a cada 2 meses).  Lembrando sempre que devemos fazer no mínimo uma vez por ano uma adubação com micro nutriente (Ca {Cálcio}, Mg {Magnésio}, S {Enxofre}, B {Boro}, Cl, Cu, Co, Fe…).
A Pitangueira não deve ser adubada um mês antes mês de seu transplante. Melhor época para iniciar a adubação é a primavera. Nunca adube plantas doentes ou recém transplantadas. Em meses muito quentes não adube.
As mirtáceas guardam energia que podem provocar brotações após terem suas raízes podadas, estas brotações não são sinais que as suas raízes estejam crescendo em baixo no solo, e que esteja tudo bem com a planta. Tome muito cuidado com isso e aprenda a identificar este tipo de crescimento, pois se você usar adubos para incentivar o crescimento destes novos ramos poderá matar sua árvore.


Poda - A poda da Pitangueira deve ser feita usando uma tesoura afiada. Pode encurtando os novos rebentos com 6-8 pares de folhas para deixá-los com 1-2 pares. Podam-se todos os ramos que saem de zonas indesejáveis devendo procurar alcançar o estilo desejado. Podas mais drástica deverão ser efetuado no final do inverno, início da primavera. A Pitangueira brota na madeira velha suportando muito bem podas drásticas renovando-se logo depois com uma brotação intensa. A Pitangueira pode ser desfolhada no verão o que ocasionará um tom avermelhado em sua copa e a diminuição das folhas. Isso, porém só deverá ser efetuada em plantas sadias. Use sempre tesouras e alicates de podas bem amoladas para que os cortes sejam limpos. Mantenha sua ferramenta sempre limpa para que não transmita alguma doença através da poda. Não economize quando for comprar suas ferramentas, as melhores são geralmente mais caras.



Transplante - Quando efetuarmos a troca de Solo deverá podar no máximo 35 % das raízes. Deve-se providenciar a troca de terra da Pitangueira anualmente ou a cada dois anos, fazendo isso normalmente no inicio da primavera quando a árvore inicia sua brotação intensa. Nunca adube plantas doentes ou recém transplantadas. Evite lavar as raízes da pitangueira se for necessário para se retirar a porção de solo ruim que veio com a muda, faça cortes no solo como fatias de pizza até bem próximo do tronco faça isso a cada ano até que toda terra ruim seja retirada. Não se esqueça de por uma tela plástica nos furos do vaso. Para a firme sustentação da árvore e mantê-la assentada no vaso, passe arames ou barbante - que apodrecerá com o tempo - se optar pelo arame corte-os tão logo perceba que a árvore esta com ótimo desenvolvimento. Se desejar poderá fazer uso de enraízadores para adiantar o processo de estabelecimento da árvore. Comece a adubação cerca de 40 a 50 dias após o transplante quando os primeiros brotos estiverem crescendo, use metade do adubo que normalmente se usaria. Mantenha a árvore na sombra até que comecem a aparecer os primeiros brotos após o que vá aumentando aos poucos sua exposição ao sol.

Aramagem - A aramagem é uma técnica usada que visa: Corrigir o posicionamento dos ramos, conduzindo-os para a posição desejada.                                                                                O tempo de permanência dos arames nos ramos vai depender do tipo de árvore e do seu crescimento: Em média deixa-se o arame por seis meses verificando sempre se este não esta produzindo marcas no tronco. Se os arames estiverem penetrando na casca tire-os imediatamente. Deve-se evitar o uso de arames de cobre. Use arames encapados ou proteja o tronco do contato com ele. Tencionar os ramos tem sido uma técnica muito usada para alcançar a forma desejada, tencione o galho cuidadosamente, quando sentir que não é possível dobrar mais o galho pare. Se for preciso tencionar mais o galho para que chegue a posição desejada, espere mais seis meses ou um ano até que a planta esteja restabelecida do primeiro movimento para tencioná-lo novamente.  Na Pitangueira o arame usado deverá ser encapado ou deveremos fazer uma proteção no tronco para que não fiquem marcas.
Melhor Época para Aramação: Final do Verão, mas poderá ser efetuada em outras estações.
A grossura do arame dependerá da força necessária para se vergar o ramo. Mas uma vez vou lembrar, na pitangueira devem-se proteger os ramos do contato direto com o arame. Para retirar o arame corte-os com um alicate próprio para isso.
Árvores com troncos lisos como os das Pitangueiras devem estar livres de marcas, portanto podas efetuadas com ferramentas de excelente qualidade proporcionarão uma cicatrização rápida e perfeita. 


 PROPAGAÇÃO - Os métodos mais usados são: a enxertia; a semente; no Verão, o alporque.
O melhor modo de se propagar a Pitangueira é utilizando suas sementes que germinam relativamente fácil. A enxertia é uma técnica mais difícil e requer certa habilidade do Bonsaísta. Não sendo usada no cultivo do bonsai na Pitangueira por deixar marca permanente no tronco. O alporque pode ser usado produzindo como resultado uma planta mais madura que pode ir direto para o vaso. É um método muito usado por grandes bonsaístas esperientes.  

Dicas  - Antes de fazer a aramagem suspenda as regas, isso fará os galhos ficarem mais flexíveis facilitando a torção do mesmo.
- Caso surja fungos esse pode ser tratado com a moderação na rega, e a retirada com uma escova e fungicida.
- Para deixar mais flexível o fio de cobre aqueça-o no fogo antes de usá-lo.
- Desfolhe a pitangueira no início de janeiro e ela brotará com uma folhagem menor.
- Uma adubação rica em fósforo iniciada no final do inverno indo até outubro, induzirá a pitangueira a dar frutos no verão.

- Se tiver dúvidas de como aplicar os métodos a cima busque a orientação de bonsaístas experientes.
Faça um curso. Existem excelentes bonsaístas que ministram cursos de alta qualidade. Não veja isso como um gasto, mas como um investimento para o futuro.  Você mudará a sua maneira de ver o Bonsai.
Usar as técnicas aprendidas de maneira correta lhe dará confiança e os resultados obtidos em suas árvores lhe darão enorme satisfação evitando perdas de tempo e enormes prejuízos financeiros. Este é o meu conselho. 


Como cuidar - JABUTICABEIRA.

Flores da jabuticabeira


Família Mirtáceas
Origem: Brasil, e  outros países da América do Sul (Colômbia, Paraguai
Porte: Atinge até 15m. de altura
Floração: inverno e início da primavera
Propagação: Por sementes ou alporquia
Luminosidade: sol pleno/meia Sombra.
Regas: manter o solo úmido
Solo: Areno-argiloso rico em matéria orgânica.

A jabuticabeira é uma árvore frutífera muito popular no Brasil. Possui o tronco liso ramificado com uma característica de desligar a casca ao longo do tronco e galhos. Possui folhas ovalada e pequenas, com uma coloração verde-brilhante. Suas flores são pequenas e brancas surgem em cachos agarrado no tronco e galhos da árvore.
A jabuticabeira não suporta geada forte, portanto devemos protegê-la do frio, principalmente se a temperatura estiver abaixo de 15ºC.
A variedade Sabará é uma ótima escolha pois possui as folhas e frutos pequenos.




Ambiente - Mudas jovens crescerão melhor se forem colocadas em meia sombra, entretanto depois de alguns anos elas deveram ficar a soalheira.

Solo - O solo de plantio para a jabuticabeira deverá ser ácido, rico em matéria orgânica, com boa capacidade de reter água e umidade sem, contudo permanecer encharcado. As jabuticabeiras precisam de muita umidade para floresceram. O solo deve conter uma boa quantidade de matéria orgânica (casca de pinheiro ralada, matéria orgânica curtida, palha de arroz calcinada e etc.) Atenção: Toda a matéria orgânica deverá ter passado por um período de curtição por no mínimo 180 dias, ou poderão danificar as raízes da árvore bem como a formação de gases tóxicos no solo prejudicará à planta. Depois de curtida toda matéria orgânica deverá ser secada ao sol por alguns dias antes de armazená-la. Uma boa composição do solo para o plantio de nossa jabuticabeira é a combinação de: 20% de areia grossa ou pedrisco 3 mm (não calcária) + 20% de cacos de tijolos 3 mm + 60% de matéria orgânica. Todos os componentes do solo deverão estar secos e peneirados para a retirada de partículas muito miúdas e do pó antes de ser usado. Essa mistura é para cidades de clima quente. Caso você more em locais mais frios use uma mistura com menos matéria orgânica e mais cacos de cerâmica.

Rega - Regue generosamente durante os meses de Verão, a jabuticabeira adora solos encharcados e diminua a freqüência da rega durante o Inverno. É importante deixar sempre o solo 
umido.

Adubação - Faça uma adubação com adubo líquido a cada quinze dias, do início da Primavera até o final do Verão. Durante o Outono e o Inverno, diminua a freqüência, e adube apenas uma vez por mês. As Jabuticabeiras gostam muito de adubos ricos em fósforo. Ex.: NPK 4-12-4. Um adubo (orgânico) riquíssimo em fósforo é a farinha de osso. Dois meses antes da floração deverá ser usado um adubo rico em fósforo Ex.: NPK 4-12-8 que seguirá até inicio da floração. Não adube durante a floração.  Suspenda a adubação tão logo os pequenos botões surjam no tronco e volte a aduba-las quando os frutos já estiverem formados. Existem adubos de ação lenta e de varias formulações como Osmocote, que poderá ser usado. Uma mistura orgânica que produz resultados excelentes é: Torta de Algodão ou Mamona 50% + Farinha de osso 50% colocada na borda do vaso a cada trinta dias na proporção de uma colher de sopa rasa para vasos com 20 a 22 cm de comprimento (vasos menores ou maiores deverão receber quantidade proporcional ao seu tamanho). Coloque a mistura em um potinho perfurado e enterre no vaso para que a mistura não se espalhe e com o tempo torne o substrato do vaso compactado - retire o potinho com a mistura a cada 2 meses).  Outro modo é fazer uma rega semanal ou uma pulverização semanal usando para isso a mistura feita com 2 colheres de sopa rasa de uréia dissolvida em 10 Litros de água. Regue ou pulverize a uréia sempre ao entardecer, pois ela se evapora com a luz. Use adubo contendo micros nutrientes S, B, Cu, Mn e Zn pelo menos duas vezes ao ano. De preferência aos adubos foliares.




Poda - Se o seu Bonsai estiver em formação, deixe o galho crescer livre até que alcance a grossura de um palito de fósforo então pode todos os brotos no segundo ou quarto par de folhas. Faça esta poda até que seu bonsai esteja definido. Na poda de manutenção pode sempre que os novos ramos alcançar oito ou dez pares de folha ou quando as folhas dos novos brotos estiverem com uma coloração verde escura e as gemas apicais estiverem inchadas. Observe as gemas e pode quando estas começar a inchar. Pode deixando apenas um par de folhas. Esta poda ajuda a manter a forma do bonsai. Você pode fazer podas drásticas ou remoção de galhos durante todo o ano, porém, a melhor época é durante a Primavera. A Jabuticabeira aceita a desfolha no verão, isso dará a planta uma linda cor primaveril, corte o pecíolo deixando parte dele agarrado ao ramo a desfolha diminuirá o tamanho de suas folhas e entre nós. Desfolhe apenas plantas adultas e sadias. Remova todos os brotos que forem indesejados - os que surgirem nas axilas dos galhos secundários e terciários podem ocorrer o nascimento de brotos nas raízes, retire-os também se isso ocorrer. Mantenha sempre o solo limpo sem ervas daninhas ou folhas secas.
Use sempre tesouras de podas e alicates bem amolados para que os cortes sejam limpos. Mantenha sua ferramenta sempre limpa para que não transmita alguma doença através da poda. Não economize quando for comprar suas ferramentas, as melhores são geralmente mais caras.
Árvores com troncos lisos como os das Jabuticabeiras devem ser livres de marcas, portanto podas efetuadas com ferramentas de excelente qualidade proporcionarão uma cicatrização rápida e perfeita.  Nas Jabuticabeiras essas marcas logo desaparecerão. Na troca de terra podar no máximo 50 % das raízes.



Transplante - A melhor época para o transplante é no fim do outono ou no início da primavera, bem no início dela - muito embora quando eu estava morando no Rio de Janeiro dava preferência por fazê-la em meados do verão com excelentes resultados na brotação. Algumas Jabuticabeiras ainda florescem após terem tido as suas raízes podadas, eu aconselho que se retirem os frutos  resultantes desta floração a fim de preservar a energia para o crescimento das novas raízes e ramos. Faça o transplante somente a cada dois anos, fazendo uma poda moderada das raízes. Deve-se providenciar a troca de terra da Jabuticabeira Anualmente ou a cada dois anos a freqüência vai depender de fatores tais como idade, tipo de solo e tamanho de vaso. Em regiões onde o inverno é frio faz-se o transplante normalmente no inicio da primavera quando inicia sua brotação intensa para que a planta tenha tempo suficiente para se restabelecer antes que chegue o inverno. Nunca adube plantas doentes ou recém transplantadas. Na troca de terra podar no máximo 50 % das raízes. Use uma mistura de solo areado com muita matéria orgânica.


Aramagem - A Jabuticabeira é uma árvore que se modela facilmente, bastando podas freqüentes, se for preciso aramar, tome algum cuidado, pois seus galhos são quebradiços. Deve-se aramar a Jabuticabeira no início da primavera, ou no verão quando se fizer a desfolha. Os arames podem permanecer na árvore por até seis meses, mas nunca deixe que eles façam marcas na casca. Se os arames estiverem penetrando na casca tire-os imediatamente. Deve-se evitar o uso de arames de cobre. Use arames encapados ou proteja o tronco do contato com ele. Tencionar os ramos tem sido uma técnica muito usada para alcançar a forma desejada, tencione o galho cuidadosamente, quando sentir que não é possível dobrar mais o galho pare. Se for preciso tencionar mais o galho para que chegue a posição desejada, espere mais seis meses ou um ano até que a planta esteja restabelecida do primeiro movimento para tencioná-lo novamente.


PROPAGAÇÃO - É bastante simples, pode ser feita através de sementes principalmente se as sementes forem semeadas logo após serem retiradas do fruto. Mudas de sementes demoram a produzir frutos, então é recomendável que se obtenha um bonsai através do alporque de um galho que já esteja frutificando, utilizando algum tipo de hormônio para forçar o aparecimento das raízes. A época recomendada para o alporque é o final do Inverno. Existem varias espécies de jabuticabeiras no Brasil, entretanto eu recomendo que se trabalhe com a espécie Sabará cujas folhas são bem reduzidas. A Jabuticabeira Sabará feita de sementes leva prá cerca de 20 anos para frutificar. O alporque levará cerca de um ano.


Doenças - As Jabuticabeiras são plantas muito resistentes, mas podem ocorrer ataques de pulgão e cochinilhas, estes podem ser tratados facilmente com inseticida para plantas ornamentais. Pode aparecer também a ferrugem que pode ser combatido com calda bordalesa. Não se esqueça: existindo um problema, combata-o com brevidade para evitar a debilitação do bonsai.

Estilos - Tronco vertical, Vassoura, Moiogi, Tronco duplo, Bosque e outros.
Dicas
- Molhe sempre seu bonsai pelo menos uma hora antes de efetuar a adubação.
- Plante a Jabuticabeira em vaso fundo.
- Pulverize as folhas em dias muito quente, seco ou com vento.
- Ao desfolhar a Jabuticabeira aproveite para corrigir o posicionamento dos galhos.
- As mirtáceas guardam energia que podem provocar brotações após terem suas raízes podadas, estas brotações não são sinais que as suas raízes estejam crescendo  a baixo do solo, e que esteja tudo bem com a planta. Tome muito cuidado com isso e aprenda a identificar este tipo de crescimento ,pois se você usar adubos para incentivar o crescimento destes novos ramos poderá matar sua árvore.


*********************************************************************************

- Se tiver dúvidas de como aplicar os métodos a cima busque a orientação de bonsaístas experientes.
Faça um curso. Existem excelentes bonsaístas que ministram cursos de alta qualidade. Não veja isso como um gasto, mas como um investimento para o futuro.  Você mudará a sua maneira de ver o Bonsai.
Usar as técnicas aprendidas de maneira correta lhe dará confiança e os resultados obtidos em suas árvores lhe darão enorme satisfação evitando perdas de tempo e enormes prejuízos financeiros. Este é o meu conselho.